domingo, 12 de julho de 2020

Xuxa se irrita e dispara contra novo ministro da Educação

Xuxa
Imagens: Reprodução – Instagram / Montagem – RD1
Xuxa Meneghel decidiu usar o seu perfil no Instagram, neste sábado (11), para disparar contra o novo ministro da Educação, Milton Ribeiro. A apresentadora compartilhou um vídeo antigo em que o integrante do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) aparece defendendo educar crianças “com dor”.
“Quando eu penso que ta ruim… consegue ficar pior!!! Se educação tem a ver com rigor, com dor, as cadeias estariam cheias de gênios, alguém por favor me diga que eu entendi errado, que nós mães, mulheres, filhas, seres humanos, demoramos pra descobrir que para educar não se deve usar a dor e sim a EDUCAÇÃO, o EXEMPLO, a conversa, o AMOR”, disse a loira.
A postagem compartilhada pela famosa mostra um vídeo publicado há quatro anos pela Igreja Presbiteriana Jardim de Oração. O atual ministro, então, fala sobre a “vara da disciplina”
“A correção é necessária para a cura. Não vai ser obtido por meios justos e métodos suaves. Talvez uma porcentagem muito pequena de criança, precoce e superdotada, é que vai entender o seu argumento. Deve haver rigor, severidade. E vou dar um passo a mais, talvez algumas mães até fiquem com raiva de mim: deve sentir dor”, disparou o pastor, na ocasião.
Conhecida por se posicionar contra o uso de palmadas na educação das crianças, Xuxa, então, afirmou que “já foi a época que em nome da educação e de Deus se corrigia alguém com violência”.
“Deus é amor, se amar é respeitar, onde tem educação, amor e respeito nessas palavras?”, questionou a contratada da Record, que, em 2014, foi ao Senado defender a aprovação da “Lei da Palmada”, que buscava coibir a violência contra as crianças.
Cabe lembrar que Milton Ribeiro foi anunciado por Jair Bolsonaro na última sexta-feira (10) para assumir o MEC. Em mensagem para amigos, ele disse que acreditava ser a “hora de darmos atenção especial à educação básica, fundamental e ao ensino profissionalizante e de “incrementar o ensino superior e a pesquisa científica”.
Por RD1